Anuncie connosco
Pub
Opinião
João Alexandre – Músico e Autor
João Alexandre
Músico e Autor

Ninho de Cucos

As capas provocantes dos The Smiths

5 de setembro de 2015
Partilhar

Singles e álbuns

Que a música dos Smiths, a banda inglesa de Manchester formada em 1982, se tornou fundamental nessa década e decisiva em muitos dos caminhos e bandas seguintes do pop rock alternativo, não é propriamente novidade. A banda de Morrissey, Johnny Marr, Andy Rourke e Mike Joyce deixou um legado riquíssimo de canções, letras, melodias de guitarra em dedilhados e elegantes linhas de baixo, que influenciaram e continuam a influenciar inúmeros artistas em todo o mundo.

Menos conhecido e explorado será o contexto artístico de cada uma, das mais de duas dúzias de capas de singles e álbuns da discografia dos Smiths. Cada uma das capas revela provocação, subversão e mensagem desafiadora de Morrissey, que alguns críticos consideram tão interessante quanto a própria música. Analisemos algumas dessas marcantes capas num momento em que o vinil parece ganhar cada vez mais espaço, reconquistando quota de mercado e entrando nas grandes superfícies (pelo menos no Reino Unido).

“Hand in Glove”

O primeiro single dos Smiths exibe um controverso nu masculino, do actor George O'Mara, que apela ao tema do erotismo homossexual. Os pais do baixista Andy Rourke, não muito satisfeitos com a capa, questionaram o filho sobre a razão de tal imagem, mas não obtiveram resposta.

“This charming man”

Ao longo da carreira foi-se tornando usual a não utilização de imagens próprias nas capas dos seus discos. Neste caso a ima- gem é do actor Jean Marais, num plano do filme “Orpheus”, de Jean Cocteau.

“The Smiths”

No homónimo álbum estreia dos Smiths, a banda utilizou uma imagem do actor e sex symbol Joe Dallessandro, um protegido de Andy Warhol. Curiosamente é também de Joe Dallesandro a imagem da capa do álbum “Sticky fingers” dos Rolling Stones (mais precisamente do insinuante par de calças de ganga).

“Meat is murder”

O documentário pró-vietnamita sobre a guerra do Vietname, “In the year of the pig”, escandalizou muitos espectadores. Morrissey aproveitou a imagem icónica do marine Michael Wynn com uma diferença. No capacete de Wynn a inscrição original era “make war not love”, no disco dos Smiths foi adaptada para servir de título ao seu segundo álbum.

“The boy with the torn in his side”

Na capa figura o escritor Truman Capote. Quando Morrissey escolheu esta imagem para capa de single, um dos colegas da banda perguntou a Morrissey se não era ... Ernie Wise, o que o “levou aos arames” e a exclamar “Dear god!”

“Bigmouth strikes again”

James Dean conduzindo uma mota e fotografado em 1948. A imagem de James Dean voltou a ser utilizada pelos Smiths noutras ocasiões, um dos maiores ídolos de sempre para Morrissey.

“The Queen is Dead”

Alain Delon autorizou Morrissey e os Smiths a usar a sua imagem retirada do filme negro “The unvanquished”, realizado em 1964. Ao que parece os pais do actor não terão gostado de ver a imagem do filho associada a um disco com o nome “The Queen is dead”, aquele que é para muitos considerado a obra prima da banda.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter