Anuncie connosco
Pub
Opinião
Rui Pinheiro – Sociólogo
Rui Pinheiro
Sociólogo

Fora do Carreiro

Pela cultura de sermos livres

3 de dezembro de 2018
Partilhar

Estou certo que nem toda a gente me acompanhará na reflexão e na opinião. Uns, porque do alto da sua agnosia consideram que todos se devem manter em nível idêntico de conhecimento. Outros, por razões ideológicas, acham que o conhecimento deve ser detido e mediado por uma élite, logo, não deve ser disponibilizado a todos. E ainda aqueloutros que por razões de tacticismo político fomentam uma narrativa de que tudo é “festa”, para sugerir que se desperdiçam recursos e se gasta dinheiro mal gasto. É a versão populista do popularucho.

A minha percepção, sentimento e ponto de vista, afasta-se, a cada dia, daquelas visões, sejam as de miopia intelectual, sejam as de acuidade ideológica.

O que me é dado a ver é que a Câmara Municipal de Loures tem vindo a realizar um apreciável trabalho na área cultural. Tão reconhecível quanto se sabe que partiu quase do nível zero, depois de cerca de 10 anos em que anteriores gestões municipais não deixaram pedra sobre pedra nesta esfera. Merecedor de reconhecimento também pela circunstância de, contra-(uma certa)-corrente, ter assumido o propósito de dar expressão política e investimento crescente à Cultura. Ainda de destacar o trabalho realizado até agora, porque se percebe um rumo, o desenvolvimento e consolidação da acção cultural que aponta simultâneamente à formação de praticantes e à formação de públicos.

A Rede de Museus Municipais e a Rede de Bibliotecas Municipais, o Teatro e a Música, os apoios ao Movimento Associativo são domínios em que é já possível perceber o slogan “as pessoas são a nossa marca”. Há programação de muito bom nível, há adesão do público, há emergência de novos e qualificados executantes. Os efeitos das políticas, designadamente as culturais, são se vêem a curto prazo, contudo, atrevo-me a considerar que se percebe já que o que está a contecer é bom e muito importante.

Claro que vão continuar a aparecer vozes a querer fazer marcha atrás, a querer condicionar, a dizer que se devia “gastar dinheiro” noutras coisas. Mas a capacidade de resistir à tacanhez é já um acto cultural da maior valia. Porque a cultura é um imprescíndivel passaporte para a liberdade, os indíviduos não são livres, plenos, integrais, se ignorantes.

Permito-me citar, a propósito, Albert Camus: “Sem a cultura, e a liberdade relativa que ela pressupõe, a sociedade, por mais perfeita que seja, não passa de uma selva. É por isso que toda a criação autêntica é um dom para o futuro”.

E é do futuro que se deve cuidar. Se queremos filhos e netos livres, conscientes, activos, autónomos e realizados, o momento de apostar na cultura é agora, quando temos filhos e netos.

Adiar, com pretextos de que o melhor é fazer tudo o resto antes de investir na cultura, seria prescindir da liberdade em nome de não se percebe bem do quê. Eu opto e apoio o caminho que a minha Câmara Municipal está a trilhar.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter