Anuncie connosco
Pub
Opinião
Rui Pinheiro – Sociólogo
Rui Pinheiro
Sociólogo

Fora do Carreiro

Agitações

31 de agosto de 2018
Partilhar

Andam por aí umas tantas agitações, com tentativa de expressão nas redes sociais, mas com epicentro evidente em certos meios políticos. A insistência no tema, a diversificação com comunicados partidários, entrevistas encomendadas e outros ruídos denunciadores em torno do tema, desde logo infundem fundadas suspeitas de que o que está por detrás, nada tem a ver com o que se apresenta na montra.

Falo, claro está, no moderníssimo tema dos “monos”, “monstros” ou “volumosos” – algumas das expressões usadas para designar os materiais, mobiliários, colchões e similares, conforme a latitude e/ou longitude autárquica em que nos encontremos – para os quais, de repente, acordou toda uma parte da classe política local que acabou de descobrir uma realidade que apenas esteve disfarçada pela profunda crise que o país atravessou nos anos da troika.

Não é em Loures que o fenómeno está de volta, é em todo o país. A nossa circunstância profissional que leva a percorrer amiúde toda a Área Metropolitana de Lisboa, bem como muitas outras zonas do país, permitem afirmar categoricamente que é um problema generalizado. Portanto, o problema não é Loures, o problema não são os SIMAR, o problema é de fiscalização, organizativo e cívico.

A observação e a experiência de trabalho no sector dos resíduos indicam-nos três origens principais para os montes e montureiras e que pululam em terrenos expectantes, bermas das estradas e em torno dos contentores e eco-pontos:

  • Resíduos de todo o tipo resultantes de obras particulares que são abandonados por pequenos empreiteiros;
  • Mobiliário, colchões, resíduos verdes de podas e domésticos secos, por conduta pouco cívica dos cidadãos;
  • Resíduos sólidos urbanos, ensacados e não ensacados que os munícipes abandonam deliberadamente nesses locais, por manifesta falta de respeito por si e pelos demais concidadãos.

 

Obstar ao abandono do primeiro tipo de resíduos carece de fiscalização. Façam-se umas operações stop às horas pertinentes quando as viaturas vêm das obras noutros concelhos, principalmente de Lisboa e exijam-se as Guias de Acompanhamento de Resíduos.

No segundo e terceiro tipo de resíduos são necessárias respostas organizativas mais eficientes. Disponibilizar locais para deposição voluntária dos monos (gratuita ou não é outra questão); uma recolha municipal organizada e fortemente comunicada e uma sanção social de todos os outros cidadãos que repudiem, advirtam e intervenham junto dos prevaricadores. É mais cómodo alinhar numa reclamação difusa junto das entidades autárquicas, mas o problema está na conduta cívica e não na autarquia, seja ela qual for.

Por fim, tentar tirar proveito desta situação anómala pela qual se é em grande parte responsável, para usar como arma de arremesso político ou tentar justificar outros propósitos mais obscuros, é algo para o que o cidadão contribuinte tem de estar atento para não comprar gato por lebre, pensando que são os seus interesses a ser defendidos, mas são outros quaisquer.

Este colunista escreve em concordância com o antigo acordo ortográfico.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter