Anuncie connosco
Pub
Opinião
Gonçalo Oliveira – Actor
Gonçalo Oliveira
Actor

P'la caneta afora

A VIDA A CÔR DE ROSA

6 de março de 2019
Partilhar

Resolvi dar uma volta e parei num quiosque à procura das “últimas” (notícias) e quando dei por mim, percorria ávidamente as capas das revistas expostas e penetrei no mais íntimo cérebro português e a sua mais profunda necessidade do Saber (com maiúsculas, sim senhor!). Passemos a construir a crónica de hoje baseada nos títulos das revistas do Saber como viver uma Vida Cor de Rosa, omitindo os nomes próprios das pessoas visadas, por respeito à sua privacidade e à minha sanidade mental. As palavras em itálico são da minha inteira responsabilidade Passemos então à acção!

Soube como encontrar casas mais baratas a 5, 10, 20, 40 minutos do centro de Lisboa e do Porto. Superadas as mortes do namorado e do pai, quer constituir família e aposta em novo programa. “Tenho uma força que desconhecia”. E assim estreia-se no teatro.

O “vizinho” mais famoso do país abre o coração: “perdi muito a ingenuidade” e ela entra ousada em dança sensual. As amigas ficam encantadas com os gémeos.

É aí que se fica a saber toda a verdade sobre os ovos e as galinhas que comemos.

Ele abre um novo negócio e revela ainda que o filho que tem já vai para os comandos.

Em Lisboa ela aparece nas primeiras fotos grávida e com imagens inéditas do irmão (quase) desconhecido.

Juntas preparam a derrota.
Como as mulheres mais poderosas se têm ajudado para chegar à liderança.

Broncas e agressões. Ele é acusado pela “ex” de tentativa de homícidio. Ela está separada. Discussões violentas em casa e na rua ditam fim do “casamento” de 20 anos. “Estou sozinho e estou bem”, diz o companheiro.

Lembra-se dele? Filha luta contra doença.

E o pai está acamado e ligado à máquina.

Amigos temem pela vida. Ela está a ser perseguida. Os segredos da gravidez e ainda o pai volta a humilhá-la publicamente.

Juntas em Itália e ele oferece prendas de luxo à namorada e à mãe. “As pessoas na rua chamam-me vizinho”. Tudo um negócio de milhões.

Ela contraria vontade dos pais e assume amor proibido com homem mais velho. Mas ele está impedido de voltar a casar. E assim... Adeus Portugal. Farta-se e abandona Lisboa. Mas para além de quererem 100 mil para os calarem, foi descoberta a bailarina “amante” com uma vida secreta em bairro pobre, em que ele afinal continua casado. Afinal tudo é traição e vingança, com acusações graves à ex-mulher e os relatos sobre o afastamento das filhas. No fundo basta apresentar todos os trunfos para acabar com os seus inimigos.

E sabe quem é a beldade que o conquistou? Foi a miúda que lhe deu a nega. E ela que vive inferno de violência doméstica, gritou: “Sufucou-me! Mas ainda o Amo”!

Descobrimos a namorada dele. Já vivem juntos há um ano. E ele ripostou: “Não me deixa ser pai”.

Mas ela é arrasada nas redes sociais.

Em todos os jornais a chamada de capa salta aos olhos de toda a gente: Vagina feita à medida. Cirurgia íntima está na moda.

Com o inimigo dentro de casa em Portugal 20.000 mulheres fazem anualmente queixa e 70% não chegam a lado nenhum.

São as histórias ocultas da violência doméstica.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter