Anuncie connosco
Pub
Notícias | Saúde

Rejuvenescimento

LaserLeap no Infantado

24 de maio de 2017
Partilhar

A LaserLeap, tecnologia inovadora, não-invasiva e indolor, desenvolvida e testada por investigadores da Universidade de Coimbra, foi apresentada no dia 21 de abril na Clínica SIM Beautiful de Loures.
O evento foi marcado pela presença de várias figuras públicas, como Ricardo Carriço, Margarida Rebelo Pinto, Sofia Nicholson e Adelaide de Sousa, que tiveram a oportunidade de fazer a primeira sessão do tratamento.

Gonçalo Sá, investigador


Em que é que consiste este sistema de tratamento?
Basicamente, é um ultrassom, que é usado há cem anos na prática clínica, por exemplo para fazer ecografias para ver os fetos nas barrigas das mães. O que fizemos foi um ultrassom de alta frequência, ou seja, um ultrassom focado que nos permite interagir com a nossa pele e permeabilizá-la. Abrir poros na nossa pele e, com isso, depositar e entregar moléculas muito grandes, que de outra forma só podem ser entregues através de injeção. Depois de vinte anos de investigação científica apercebemo-nos que estes ultrassons que tínhamos desenvolvido na Universidade de Coimbra, poderiam ser utilizados em outras áreas que nem imaginávamos. Fizemos uma experiência, primeiro em pele de porco, depois em pele humana (pele morta de uma abdominoplastia) e percebemos que o que demorava quatro horas a ser entregue, com os ultrassons demorava apenas 30 minutos, isto em 2007/08. Apercebemo-nos de que tínhamos descoberto algo. Até 2013/14 tentamos perceber como tudo funcionava: o mecanismo de interação dos ultrassons com a nossa pele, ultrassons superficiais para abrir a primeira camada da nossa pele, que tipo de moléculas poderiam ser entregues e se valeria a pena constituir uma empresa para tentar explorar comercialmente esta tecnologia. Neste sentido, a partir de 2013, fundámos a empresa com esse objetivo: transformar a tecnologia que tínhamos desenvolvido na Universidade, num produto com todos os certificados de segurança, que nos garantem que os pacientes não iriam ter qualquer tipo de problema.

São adequados a todas as idades?
Nós aconselhamos o tratamento entre os 25 e os 65 anos, que abrange hidratação profunda e eliminação de rugas superficiais. Tem efeito imediato, mas em três sessões tem efeitos praticamente semelhantes à injeção de ácido hialurónico. Três sessões é o protocolo, mas logo na primeira sessão as pessoas começam a perceber que a sua pele tem melhor qualidade, mais hidratada e mais macia. No entanto, dependendo da qualidade da pele, o número de sessões pode variar. O cirurgião plástico faz a consulta, aconselha o paciente, diagnostica o que tem de ser feito e estabelece o plano de tratamento de acordo com a qualidade da pele.

Existem efeitos secundários?
Não. Os efeitos secundários são iguais aos dos ultrassons: indolor, não invasivo e não deixa qualquer tipo de marca.

Qual a durabilidade?
Até 6 meses. Posteriormente o tratamento tem de ser repetido, é um tratamento de manutenção, isto relativamente ao rejuvenescimento facial. Mas existem outras aplicações, o ácido hialurónico pode ser empregue na cara, pescoço, decote, mãos, ou seja, nas zonas visíveis.

E quando o efeito passa?
Quando efeito passa, a pele nunca volta ao que estava. A nossa pele quando absorve estas moléculas, normalmente são moléculas que estão em falta, melhora e mantém sempre algo.

Tendo em conta que estamos a falar das zonas visíveis do corpo, vai haver uma discrepância entre estas e as zonas não visíveis?
Sim, pode acontecer, mas são alterações ligeiras, ou seja, não estamos a alterar nem fisionomias nem traços, por isso não há uma diferença assim tão visível. Só uma pessoa com experiência clínica é que consegue perceber.

Referiu anteriormente que há uma hidratação da pele, mas quais são os efeitos visíveis?
O que faz é um enchimento. As rugas são depressões em que a nossa pele perdeu colagénio, perdeu elastina, o que é normal. É o que acontece à medida que vamos envelhecendo.
O que este tipo de moléculas faz é obrigar o nosso corpo a produzir estas moléculas novamente, são percursores destas outras moléculas que permitem encher e hidratar mais a nossa pele.

Onde se pode encontrar este tipo de tratamento?
Estamos em Loures, Lisboa, Braga, Coimbra, Madrid, Barcelona, Bilbau e Valência. Começámos em Coimbra no Centro Cirúrgico em 2014.

Ana Duarte, gerente da Clínica SIM Beautiful


Qual a razão para apostar neste tipo de iniciativa?
Nós queríamos algo que nos diferenciasse na área da estética, algo não invasivo. Estivemos presentes em algumas apresentações, ficamos fãs e estivemos ainda, durante algum tempo, a tentar perceber os resultados. A. Considerámos que era uma boa aposta.

Considera que o concelho de Loures está aberto a este tipo de tecnologia?
Eu acredito que sim. Aqui, na zona do Infantado, os pacientes procuram, daí também termos apostado. A cirurgia estética está a sofrer uma alteração, já não existe vergonha como anteriormente, as pessoas estão mais abertas e assumem que fazem os tratamentos. Neste sentido também consideramos que esta seria uma boa aposta.

Qual o valor base para quem tenha interesse em fazer este tipo de tratamento?
Anda à volta de 300€ por sessão. Nós aconselhamos três sessões. A duração do tratamento é entre 6 a 8 meses, mas também depende do tipo de pele. Através do tratamento restabelecemos o colagénio da pele. A pele que fica mais flácida é preenchida. Durante o período de lançamento, o valor por sessão será de 150 euros.

Sofia Nicholson, atriz

 

O que é que mais a surpreendeu neste tratamento? Aconselhava-o?

Aconselhava sem dúvida nenhuma. Sobretudo para quem não gosta de tratamentos invasivos. O resultado logo no fim da primeira sessão nota-se imediatamente, o que conforta o paciente: eu por exemplo, gosto de ver resultados quase no imediato. Para além disso é agradável e indolor. Foi relaxante. Tratar de nós tem que ser bom e agradável. Quando nos tornamos escravos de dor e desconforto, não pode ser bom. Fisicamente o nosso organismo reage à dor, e a hormona provocada pela dor é tóxica.
A expressão é uma das suas ferramentas de trabalho. Não teve receio antes de fazer o tratamento?
A primeira coisa que fiz foi informar-me. É preciso confiar, é preciso conhecer muito bem e haver referências.

Pedro Santos Pereira

 

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter