Anuncie connosco
Pub
Notícias | Ambiente

Zona oriental de Loures aproxima-se do Rio

Tejo mais próximo

7 de agosto de 2017
Partilhar

A Frente Ribeirinha de Loures situa-se num lugar privilegiado no Estuário do Tejo. Esta frente estende-se desde o limite norte do concelho de Lisboa, no Parque das Nações, iniciando-se na margem esquerda do Rio Trancão e desenvolvendo-se ao longo do rio, num comprimento de cerca de seis quilómetros, até à ligação com o futuro percurso de Vila Franca de Xira.
O projeto apresentado pretende completar a ligação pedonal e ciclável intermunicipal, assegurando a continuidade do sistema de mobilidade urbana sustentável ao longo do rio Tejo, entre os municípios de Vila Franca de Xira e Lisboa, articulado com as estações de caminho-de-ferro de Santa Iria de Azóia, Bobadela e Sacavém.
O percurso irá desenvolver-se sobre estacaria de madeira, permitindo a fruição da paisagem do rio Tejo aos cidadãos, ao mesmo tempo que promove e divulga os valores de fauna e flora ali presentes. Ao longo do percurso existirão sete pontos de paragem e descanso, ensombrados com ripado de madeira e equipados com bancos. Ao longo de todo o percurso haverá também sinalética orientativa e informativa.

Declarações

“Hoje é o dia em que marcamos a alteração e mudança de paradigma relativamente à Frente Ribeirinha do Tejo”, começou por dizer Tiago Matias. “Podemos dizer que hoje começamos a reconquistar a Frente Ribeirinha para toda a população de Loures”, acrescentou o vereador da Câmara de Loures com o pelouro do Ambiente.
“Mas dizer que isto se trata apenas de uma frente ribeirinha é diminuir a sua importância. Além do enorme valor ambiental, é importante estabelecer pontos de ligação com as zonas urbanas das freguesias da Bobadela, São João da Talha e Santa Iria de Azóia”, disse Tiago Matias.
Presente esteve também o presidente da Câmara de Loures que referiu ser este “o início de um projeto que está feito e pronto a ser executado. Não se trata de nenhuma promessa”, clarificou. “Trata-se de um projeto que está em discussão junto das entidades competentes, mas que foi pensado para ter pouco ou nenhum impacto na natureza para que pudesse ser viável”, explicou Bernardino Soares.
Para que a abertura deste novo percurso pedonal fosse uma realidade, foi necessária a recuperação da margem esquerda de uma ribeira que lhe é contígua, bem como a limpeza do terreno e a plantação de espécies autóctones, criando, simultaneamente áreas de estar. A recuperação de um pontão desativado e muito degradado em pleno Tejo, permite, agora, a observação do rio e da avifauna.
Assim se desenvolveu a 1.ª fase de requalificação da Frente Ribeirinha do Tejo, tendo sido executadas um conjunto de intervenções, num montante elegível de aproximadamente 133.580 euros e um financiamento comunitário de 50%.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter