Anuncie connosco
Pub
Opinião
Anabela Pereira – Nutricionista
Anabela Pereira
Nutricionista

Trabalho por turnos

Alterações dos hábitos alimentares e consequências para a Saúde

4 de junho de 2016
Partilhar

As grandes mudanças económicas, demográficas e tecnológicas promoveram uma necessidade de criar uma sociedade que fun¬cione as 24 horas do dia, depen¬dendo de um grande número de profissionais que trabalham por turnos rotativos.

Cada vez mais os profissionais estão preocupados com o impac¬to que estes horários possam ter na sua saúde.

Aproximadamente, um em cada cinco trabalhadores na Europa trabalha por turnos. Este sistema não segue o padrão habitual das oito horas diárias desempenha¬das durante o dia, inclui turnos noturnos e rotação de horários.

O corpo humano possui um ritmo natural próprio, o ritmo circadia¬no. O relógio biológico é progra¬mado para ficar activo durante o dia e dormir durante a noite.

Este regime de trabalho exige que os trabalhadores permane¬çam activos num período em que o sistema biológico deveria estar em repouso, sendo por isso apontado como um dos maio¬res causadores de desordens fisiológicas e psicológicas. Estas desordens têm repercussões a nível da produtividade e da qua¬lidade de vida e exigem que os trabalhadores estejam em cons¬tante adaptação física, emocional e social.

A restrição prolongada do sono e a rutura circadiana são preju¬diciais para a saúde, havendo referências a alterações do sono (insónia e sonolência excessi¬va), humor, gástricas, podendo levar a aumento dos acidentes de trabalho e da probabilidade de desenvolver obesidade e dia¬betes.

Estudos evidenciam que este tipo de regime de trabalho pode afec¬tar a distribuição energética ao longo do dia. Há uma tendência para petiscar com mais frequên¬cia, em vez de ingerir refeições completas e para a inactividade física.

Outro tipo de comportamentos adoptados, por este tipo de traba¬lhadores para melhorar o desem¬penho, é a ingestão de substân¬cias que têm efeitos estimulantes sobre o sistema nervoso central, como o café. O uso excessivo de estimulantes afecta os padrões normais do sono.

Para minimizar os efeitos negati¬vos do trabalho por turnos, este tipo de trabalhadores devem, tanto quanto possível, reger-se por um padrão normal de refei¬ções diurnas/noturnas. Evitar comer, ou pelo menos restringir a ingestão de energia, entre a meia-noite e as seis da manhã e tentar comer no início e fim do turno. Tomar o pequeno-almoço, antes de ir dormir de dia, ajuda a evitar que acorde devido à sen¬sação de fome.

Estimulantes como a cafeína podem permanecer no organis¬mo algumas horas após a inges¬tão e causar a sensação de aler¬ta, interferindo assim com o sono. Se os trabalhadores neste regime de trabalho sentem que precisam de cafeína, devem ingeri-la no início do turno.

Devem dormir períodos de sonos de 7/8 horas, sempre que possí¬vel e desligar o telefone durante as horas de descanso, para evi¬tar que o sono seja interrompido.

O processo de globalização veio alterar significativamente a rela¬ção do homem com o trabalho. Procura-se, cada vez mais, gran¬de produtividade associada a um baixo custo de produção, o que leva um aumento dos ritmos e cargas de trabalho. Infelizmente não há solução para os proble-mas causados pelo trabalho por turnos, apenas recomendações que podem reduzir os efeitos nocivos na saúde física e psí¬quica.

Este colunista escreve em concordância com o antigo acordo ortográfico

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter