Anuncie connosco
Pub
Notícias | Social

Em jovens e adultos com deficiência intelectual e multideficiência

Reduzir as diferenças

7 de março de 2018
Partilhar

A CREACIL é uma entidade que presta apoio a jovens e adultos com deficiência intelectual e multideficiência, tendo inaugurado em 2017 o primeiro centro de atividades ocupacionais do concelho de Loures, em Moscavide, onde se privilegia a sua autonomia e empregabilidade, uma possibilidade ao alcance de todas as pessoas que preencham os requisitos.

Quem conviveu de perto com a deficiência humana, entenderá bem a utilidade da CREACIL, que significa cooperativa de reabilitação, educação e animação para a comunidade integrada do concelho de Loures.
Nasceu em 1991, para dar resposta às necessidades de jovens e adultos com deficiência intelectual ou com multideficiência, por outras palavras, com mais do que uma, por iniciativa de pais nestas circunstâncias e de técnicos de intervenção social e reabilitação.
Como as crianças com deficiência têm direito a frequentar unidades de ensino estruturado em escolas públicas até aos 18 anos, dá-se lugar aos mais crescidos, numa área com pouca resposta e longas listas de espera.

CREACIL

A CREACIL tem sede em Loures e um CAO ou centro de atividades ocupacionais em Moscavide, este último, desde junho de 2017.
Enquanto as obras a realizar na sede não estiverem concluídas, o centro de trabalho está, exclusivamente, em Moscavide. Foram já desenvolvidos projetos nas áreas da intervenção precoce, equitação terapêutica, natação adaptada, bem como grupos de reflexão e ações de formação para pais e profissionais.

CAO

As paredes do CAO cheiram a novo e tudo, embora simples, está impecavelmente distribuído e arrumado, interior e exteriormente, onde há um pequeno jardim. O local está licenciado para 30 pessoas, tendo atualmente dez, com idades entre os 18 e os 40 anos. Salas disponíveis há três, do refeitório, onde fazem as suas refeições, às atividades, que incluem trabalhos manuais. Entre as 9h30 e as 16h30 dos dias úteis, os utilizadores ocupam o seu tempo a fazer colares, almofadas ou separadores de livros, cheios de cores, acessíveis a quem queira comprar. Também se realizam ateliers de culinária, jardinagem, visitas na comunidade e a museus ou exposições, aulas de música e de natação.
Privilegiando-se a autonomia e o bem-estar destes jovens e adultos, desenvolvem-se tarefas que tornam a sua vida mais independente, tais como pôr e levantar a mesa, ir às compras ou contar dinheiro.
Só vimos caras alegres e houve uma que nos veio cumprimentar, Débora. Com idade inferior a 25 anos e portadora de multideficiência cognitiva e visual, com dificuldades de mobilidade, vai e volta para casa de autocarro, embora com supervisão. Para os pais, é muito difícil aceitar que os seus filhos se tornaram adultos, pelo que é muito comum deixá-los na infância, coisa que não acontece certamente com os seus.
Além de permitir ocupar o tempo, capacitando estas pessoas com competências práticas relevantes, a instituição acompanha-os na integração no mercado de trabalho, fomentando a sua empregabilidade.
Podem usufruir dos serviços prestados cidadãos com uma deficiência intelectual superior a 60%, atestada por certificado oficial, com um custo mensal de cerca de 1000 euros. Deste valor, 452 euros são suportados pela Segurança Social, ficando o restante a cargo das famílias, de acordo com os rendimentos do agregado familiar e, da própria instituição, facilitando o acesso a famílias mais carenciadas. Embora seja dada prioridade a residentes no concelho de Loures, moradores de outros municípios não são fator de exclusão.
É sabido que ter um filho com deficiência costuma ser pesado, motivo pelo qual a CREACIL também presta apoio aos cuidadores. Existe normalmente um cuidador que suporta a família e, se ele falha é complicado; para que não falhe, precisa de ser cuidado, salienta Carla Coelho, diretora técnica da organização. Assim, disponibilizam, embora com um custo, 168 horas anuais de pausa na atividade do cuidador a 20 famílias do Concelho, geridas de acordo com as suas necessidades, substituindo-se nas suas tarefas.

Campanhas

Os fundos são conseguidos através de quotas, donativos, recolha de tampas e através do pirilampo mágico, que estará à venda entre meados do próximo mês de maio e 10 de junho.
Tampas de plástico podem ser entregues no CAO de Moscavide, na PSP e Loja do Cidadão de Loures, assim como em algumas escolas do Município. Em 2017, juntando alguns donativos ao angariado em tampas, comprou-se uma carrinha. A 150 euros a tonelada são precisas muitas, procurando-se um motorista voluntário, de preferência reformado, que as possa recolher.
O recente reconhecimento dos CAVI, centros de apoio à vida independente, pelo governo português e, a figura de um assistente pessoal com as mesmas finalidades, projetam a criação de residências autónomas, que consistem na disponibilização de apartamentos na comunidade, que permitam albergar grupos de duas ou três pessoas, com supervisão técnica. Aqui, a vida será mais independente quando comparada com o dia-a-dia dos lares residenciais existentes.
Em cima da mesa está também a possibilidade de se criar um jardim sensorial, com flores, cores e sons, que permita o relaxamento de qualquer pessoa.
A deficiência existirá sempre, o que vai mudando é a forma como é encarada e cuidada. E aí, o progresso vai no sentido de reduzir as diferenças, aproximando os seres humanos.

Joana Leitão

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter