Anuncie connosco
Pub
Notícias | Social

Submissão voluntária à vontade divina

ISLÃO (Parte I)

7 de janeiro de 2017
Partilhar

Islão significa literalmente submissão voluntária à vontade divina. Deste conceito extraí- mos que o voluntarismo está intrinsecamente ligado à ideia de ser islâmico e que não há Islão sob coação. Ademais, e apesar da doutrina divergir quanto a esta matéria, os verdadeiros muçulmanos liberais e moderados creem que Maomé não islamizou e difundiu a sua religião à custa da espada. É por isso tido como referência o radical da palavra Islam, Salam, que significa paz e que não é compaginável com as barbáries a que assistimos hoje, praticadas pelos nossos irmãos de fé.

O que é afinal ser professante da religião islâmica nos dias de hoje, num país laico e filho da Europa e quais os desafios dessa empreitada?

Na presente crónica e subsequentes não pretenderemos justificar cabalmente a posição dos ditos “nossos irmãos de fé” e o contexto desfavorável que se faz sentir, sobretudo nesta dimensão geopolítica e religio- sa, onde o extremar de posi- ções é cada vez mais comum infelizmente. Dito isto, se contribuirmos para iluminar algumas mentes, dando o nosso contributo para desmistificar alguns clichés em apreço a esta religião que é praticada pelo Bin Laden, daremos certamente por cumprido o nosso ensejo.

Qualquer bom muçulmano orgulhoso da sua religião não o será, verdadeiramente, sob pena de se tornar um káfir, vulgo herege, se não desejar para o próximo aquilo que deseja para si; isto pode parecer uma premissa lírica mas, torna-se absoluto quando Maomé cria a regra para os seus companheiros e para os, na altura, tidos como infiéis, e pautou pelo cumprimento da sua prática. À parte as diferenças e o berço civilizacional e a herança cultural comuns, sobretudo no caso da Península, hoje já não é tão extraordinário dizermos que não bebemos álcool com fundamento religioso e que con- sumimos apenas carne halál e ainda há dias constatei, na minha estatística de bolso, que uma em cada seis mulheres no metro de Bruxelas usavam o véu sem que aparentassem ser infelizes ou compelidas a tal.

Creio que essa conquista derivou sobretudo da feliz conjugação destas duas variáveis: países de acolhimento simpá- ticos e integradores e respeitadores da diferença a que me referia, e alguns muçulmanos que preferem e bem, por um lado, conservar a sua fé no interior das suas quatro paredes (mentais e de tijoleira) e, por outro, assumir a inculcação de valores culturais ocidentais como a única forma existente para viver em harmonia no Ocidente e com um resultado meritório. Permito-me retorquir: Oxalá todos assim o sejam. Ameen.

Khalid Sacoor D. Jamal
Vogal da Comunidade Islâmica de Lisboa

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter